Família

29/08/2016 08h00

Como superar a violência e o assédio

Todos os dias, centenas de mulheres sofrem com esta ameaça crescente. Apesar dos números cada vez mais alarmantes, nem tudo está perdido. Existem maneiras de superar estes problemas e voltar a ter uma vida feliz e tranquila.

Por Nosso Bem Estar

Arquivo Nosso Bem Estar
Vio

É possível superar a violência e o assédio que acontece dentro de casa, especialmente aquela que ocorre quando o parceiro é o agressor.

O número de mulheres que sofrem violência e assédio aumenta a cada dia, no Brasil e no mundo. Se você já sofreu algo assim, sabe como é difícil superar. Mas é possível. Veja como.

Superando a violência e a agressão doméstica

É possível superar a violência e o assédio que acontece dentro de casa, especialmente aquela que ocorre quando o parceiro é o agressor. Quando citamos violência, nem sempre queremos dizer algo físico, pois pode ser também psicológico. A violência psicológica acontece quando o agressor diminui a auto estima da mulher por xingamentos e menosprezos.

O primeiro passo é identificar os sinais, ou seja, reconhecer que uma atitude foi um ato de violência.  Estes atos podem ser: um adjetivo que te inferioriza, o parceiro querendo controlar sua rotina, ter prejuízos físicos, ser obrigada a praticar relações sexuais, etc.

Se você se reconhecer em alguma situação parecida, é importante quebrar o ciclo de violência. Isto é, você precisará sair dessa situação desfavorável. A saída é procurar ajuda de parentes, amigos, enfim, de pessoas de confiança, que realmente poderão ajudar você.

Sabemos que não é fácil tomar esta atitude, afinal é complicado envolvermos terceiros em nossos problemas pessoais. Pode ser constrangedor, mas você se sentirá aliviada por contar a situação a alguém que te ajudará. Nesse caso, pode ser também um psicólogo ou até mesmo um delegado de proteção à mulher.

Faça denúncias

Como já citamos, o primeiro passo é denunciar seu parceiro. Lembre-se: Você é vítima de um crime e, mesmo temendo por sua segurança, precisará denunciá-lo. Só assim poderá começar a superar a violência e o assédio.

Essa medida é fundamental principalmente se vocês têm filhos, porque o parceiro pode pedir a custódia da criança. Assim, os representantes legais saberão que as crianças não viverão em ambientes de risco caso o pai queira sua guarda.

Buscando ajuda

É muito mais fácil recuperar-se de algo negativo em sua vida se você procurar ajuda. A recomendação dos especialistas é que você quebre o ciclo de violência, separando-se do parceiro ou de quem praticou o crime.

Ao fazer isso, procure ajuda pessoal e profissional. Isto é, esteja na companhia de pessoas que te amam, mas faça terapia para superar o abuso que você sofreu. Isso é importante para melhorar a sua autoestima e aprender a lidar com a nova situação.

Alguns parceiros são tão convincentes em seu abuso psicológico que conseguem fazer com que a mulher se sinta inferiorizada e incapaz de ter boa qualidade de vida. E é neste ponto que a terapia trabalhará, devolvendo a ela a sua confiança.

Passado no passado

Para superar a violência e o assédio, é preciso deixar o passado em seu lugar. Você se livrou de situações que não te eram favoráveis, mas a terapia te ajudará a aumentar sua autoestima e fará com que você possa ter uma vida saudável e feliz.

Será difícil no começo, especialmente porque você terá de se ajustar a uma nova rotina, mas é importante não se deixar levar por pensamentos negativos e culpa. Principalmente no caso de ter deixado o agressor para trás.

É fundamental entender que você estava em um relacionamento abusivo e que agora, mesmo estando em uma situação complicada, é melhor do que antes. E o amanhã será melhor do que hoje.

Faça um diário

Para aumentar sua autoestima durante o processo, procure escrever um diário. Nele, coloque seus pensamentos, suas angústias e, principalmente, seus progressos.

Quando se sentir deprimida, leia seus registros e comprove que você teve um bom desenvolvimento pessoal, profissional e emocional.

“Dê crédito para suas realizações e mostre que você é capaz de ser feliz novamente”, orienta a psicóloga Sônia Paschoal. Quando fizer algo que te dê orgulho, recompense-se com um mimo. Não precisa ser algo caro, mas que te dê prazer, como um pedaço de bolo.

Um dia de cada vez

Superar a violência e o assédio não é fácil. Mas, pior ainda é estar ao lado de um parceiro que te menospreza e diminui sua autoestima. Procure ajuda e viva um dia de cada vez. No final, você verá que valeu a pena.

Nas grandes cidades do país, existem centros de apoio que oferecem o auxílio profissional gratuitamente para mulheres que sofrem abusos domésticos. Pelo número 180, da Central de Atendimento à Mulher, do Governo Federal, é possível obter mais informações. A ligação é gratuita

X